A Região

Região amalgamada por decreto estadual como Região Serrana com sede em Lages e como Microregião dos Campos de Lages por aspectos econômicos e geomorfológicos, segundo o IBGE, está localizada no Planalto Catarinense.

Caracteriza-se pelo predomínio dos campos naturais de altitude, cuja extensão de maneira geral sobrepuja aquela das regiões florestadas. Esta característica favoreceu a pecuária desde sua colonização, a qual se constitui ainda como uma das principais atividades econômicas da região. As condições campestres e de produção pecuária semelhantes ao seu vizinho mais sulino, o Rio Grande do Sul, difundiram uma forte influência gaúcha na cultura regional, com suas músicas, danças e veneração às disputas nos torneios de laço. A herança cultural do tropeiro, o qual conduzia o gado principalmente na rota Vacaria-São Paulo, ainda é lembrada pelos corredores de taipa (muros de pedra paralelos para passagem do gado) e através da organização de grupos de passeio equestre por longas distâncias, com direito a pernoites em hotéis-fazenda ao longo do caminho.

Está inserida no Bioma Mata Atlântica, mas apresenta características de clima subtropical, com temperaturas negativas no inverno e presença de floresta de coníferas (típicas do hemisfério norte) dominada pela Araucária. Esta árvore distribui-se predominantemente no sul do Brasil, possuindo grande significado na cultura regional, dela sendo extraída a semente de pinhão que compõe vários pratos da culinária local.

Há mais de 2000 anos, povos indígenas como os Kaingangs, Xoklengs e Guaranis habitavam a região. O município de Lages, originalmente ocupando a área que hoje compreende a Região Serrana (Campos de Lages) tem sua origem no início do século XVIII quando foi criada a Estrada dos Conventos ligando a província de São Paulo ao Rio Grande do Sul. No final desse mesmo século, foi fundada a “Vila de Nossa Senhora de Lagens” e em 1770 se dá a criação oficial do município de Lages que em 1860 se torna cidade. Em 2010 dados do IBGE registram 284.115 residentes na região dos Campos de Lages, dos quais 156.727 estão no município de Lages, e os demais residentes distribuídos nos outros 17 municípios da região que têm entre 2.373 a 24.812 residentes. Com exceção de São Joaquim e Urubici, todos os outros foram criados a partir da década de 1960.

Desde a época dos habitantes indígenas, a vida da população local esteve relacionada às Florestas de Araucária presentes na região. Além disso, o processo de colonização teve como base a comercialização e criação de gado. No decorrer de seu processo histórico, a indústria relacionada à madeira (no início da araucária e posteriormente espécies exóticas) e o comércio de gado são marcas da economia local.

Realização: Apoio: